Li e Aceito a Política de Privacidade.

Marcação

Entre em contacto directo comigo para marcar uma sessão presencial (em Alfragide, Lisboa) ou online. A data indicada no formulário é apenas uma data da sua preferência, não a definitiva. Irei entrar em contacto para agendamento, tendo em conta a preferência que indiciou.

Telefone:
918 762 620

Envie um email:
contacto@anapaulavieira.pt

As Feridas Emocionais que nos impedem de viver plenamente

2 meses atrás · · 0 Comentários

As Feridas Emocionais que nos impedem de viver plenamente

A nossa vida está repleta de desafios e circunstâncias que não controlamos, e de situações que nos desagradam ou reprimimos. Alguns aspectos das nossas vidas impedemnos de viver plenamente. A nossa falta de alegria de viver ou até mesmo as nossas escolhas podem estar ligadas a uma ou mais feridas emocionais. Lise Bourbeau, especialista em desenvolvimento pessoal, fala de cinco feridas emocionais básicas nascidas da rejeição, abandono, traição ou devido ao sofrimento de injustiça ou de humilhação.

Perspectiva de Lise Bourbeau

De acordo com Lise Bourbeau, as feridas emocionais surgem essencialmente durante a infância e adolescência e, em algumas pessoas, também na vida adulta. A forma como as experiências dolorosas são abordadas é determinante para a profundidade dessas feridas. Geralmente, as pessoas com feridas emocionais profundas desenvolvem máscaras (protecções) para não as verem nem as sentirem. Essas máscaras impedem a identificação das feridas emocionais impedindo a sua cura.

A cura de tais feridas só é possível com o enfrentamento, fazendo-as emergir, sem as esconder ou reprimir. Para conseguir compreendê-las e resolvê-las, é preciso mergulhar fundo numa viagem que pode ser dolorosa, mas que é a única forma de cura. Na opinião da especialista, cada um de nós possui feridas emocionais e resolvê-las para ser feliz, faz parte do nosso propósito de vida.

Perspectiva de Guy Winch

Já o psicólogo americano Guy Winch compara as feridas emocionais às lesões físicas. Ele refere sete feridas psicológicas comuns às quais as pessoas estão susceptíveis no seu dia-a-dia. Esse conjunto inclui sintomas como rejeição, culpa, fracasso, ruminação, perda, solidão e baixa auto-estima.

Não hesitamos em tratar as feridas físicas – mas as feridas emocionais são algo que tendemos a ignorar e assumimos que o tempo vai sarar – mas por vezes simplesmente não o faz. Muito poucos de nós vemos as feridas e arranhões emocionais da mesma forma como o fazemos com uma lesão física, mas isso é um erro, diz Guy Winch. “Nós sofremos traumas emocionais, como a rejeição ou o fracasso, ainda com mais regularidade do que os traumas físicos”, diz Winch. “E, tal como as feridas físicas, podem piorar quando não as tratamos. Isso pode ter impacto no nosso funcionamento diário e, a longo prazo, na nossa felicidade. Ao tratar as cicatrizes das batalhas quando as sofremos, podemos recuperar mais rapidamente e minimizar o seu impacto negativo nas nossas vidas“.

Embora essas feridas sejam extremamente comuns, Winch assegura-nos que, tal como as lesões físicas, as feridas emocionais podem ser curadas.

Tomar medidas adequadas

É importante sabermos que as feridas emocionais precisam de ser curadas, e que podem ser curadas.  E, tal como com uma ferida física, é crucial saber o que é necessário fazer para que a ferida seja limpa, cuidada, melhore e sare. Só assim podemos desenvolver maturidade emocional.

Por vezes, o acto de mexer na ferida pode causar um pouco mais de dor temporariamente (tirar uma farpa – falar sobre algo realmente difícil num ambiente de confiança, amável e seguro), mas é pelas razões certas, e quando terminar, a questão pode ficar resolvida. Por vezes pode demorar um pouco, mas durante esse tempo, verificamos o progresso e certificamo-nos de que a ferida está a cicatrizar.

Ignorar a dor emocional não é um sinal de força

O que sentimos é importante, precisamos de ouvir o nosso corpo e a nossa mente. Preste atenção à dor sua emocional e perceba o seu impacto. Saiba que ignorar a dor emocional não é um sinal de força.

O mundo pode ser difícil de navegar, mas praticar as habilidades certas pode prepará-la para qualquer percalço ao longo da viagem.

 

 

Tags: , , , Categorias: Coaching Emocional, Equilíbrio emocional, Inteligência Emocional

Ana Paula Vieira

Ana Paula Vieira

Sou mulher, mãe, esposa e, profissionalmente sou Coach, Conselheira de Luto, Hipnoterapeuta e Terapeuta Energética.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Feito com ♥ por Krystel Leal e Ana Paula Vieira
Conteúdos da autoria de Ana Paula Vieira. Todos os direitos reservedos
error: Content is protected !!