fbpx

    Li e Aceito a Política de Privacidade.

    Marcação

    Entre em contacto directo comigo para marcar uma sessão presencial (em Alfragide, Lisboa) ou online. A data indicada no formulário é apenas uma data da sua preferência, não a definitiva. Irei entrar em contacto para agendamento, tendo em conta a preferência que indiciou.

    Telefone:
    918 762 620

    Envie um email:
    contacto@anapaulavieira.pt

    A importância dos actos aleatórios de bondade

    2 meses atrás · · 0 Comentários

    A importância dos actos aleatórios de bondade

    Neste episódio falo da importância dos actos aleatórios de bondade quer para quem os pratica quer para quem os recebe e dos seus benefícios.

    Este artigo tem como objectivo complementar o que foi abordado no Podcast. Assim, abordo conceitos retirados de diferentes pesquisas científicas para fundamentar a importâcia dos actos aleatórios de bondade e os seus benefícios.

    Porque é importante ser bondoso?

    A investigação científica sobre o tema da bondade é cada vez mais abundante. Os actos aleatórios de bondade têm se revelado determinantes na melhoria do bem-estar e da saúde. Por outras palavras, a ciência tem demonstrado que ser bondoso compensa.

    A bondade parece ser um atributo inerente a qualquer ser humano. Porém, como a maioria das coisas vitais, ela é ao mesmo tempo muito simples e muito complexa. As suas múltiplas camadas podem ser exploradas extensivamente.

    A um nível básico a bondade manifesta-se através da consideração pelos outros. E todos os seres humanos apreciam a bondade, incluindo bebés e crianças. Mas a um nível mais profundo, ela revela-se benéfica para a saúde e o aumento da longevidade.

    As nossas motivações mais básicas, além da luta pela sobrevivência, são o bem-estar e a felicidade. Portanto, todos nós, seres humanos, queremos que ser tratados com bondade e gentileza. E isto está directamente relacionado não só com a nossa conscientização, mas também com a auto-consciência.

    O que diz a Ciência sobre a bondade

    Segundo o antropólogo Oliver Curry, director de investigação do Kindlab, na Universidade de Oxford, “A bondade é muito mais antiga do que a religião.” Curry refere ainda que a bondade é universal e, “a razão básica pela qual as pessoas são amáveis é porque somos animais sociais”.

    Tem surgido muita investigação sobre a importância, a longo prazo, do toque afectivo para as crianças, bem como o seu impacto nos adultos. A partir destes dados podemos perceber que a bondade não é um mero conceito. Ela é também uma realidade biológica no nosso corpo.

    Quando estudei psicologia positiva fiquei um pouco surpreendida ao descobrir que a bondade era objecto de estudo científico. Os resultados de várias pesquisas científicas referiam a importância dos actos aleatórios de bondade no aumento do bem-estar emocional. Ou seja, a bondade é importante para o aumento da felicidade, tanto do dador como do receptor. Todavia, o que me surpreendeu mais não foram os dados da pesquisa, mas o facto disso ter surpreendido os pesquisadores.

    Desde criança, eu observei essa alegria nos meus pais. No início eu não compreendia porquê. Agora percebo!

    A bondade activa diferentes partes do cérebro

    O nosso sistema nervoso está ligado de tal forma que o toque afectivo, como o toque amoroso de alguém ou a bondade, activa diferentes partes do cérebro. O toque afectuoso de alguém que percepcionamos como gentil ou amável pode fazer-nos sentir seguros, relaxados e calmos. Isso provoca a activação do nosso sistema nervoso parassimpático o que leva à libertação de serotonina e oxitocina.

    Por outro lado, se o toque vem de alguém com quem não simpatizamos, pode ser interpretado pelo nosso cérebro como uma ameaça. Em consequência, provoca uma resposta fisiológica e química completamente diferente (e menos saudável) no nosso corpo – a “resposta de fuga ou luta”. Esta activação do sistema nervoso simpático pode causar-nos stress. Isso leva à libertação de hormonas como a adrenalina e o cortisol, elevando, assim, o ritmo cardíaco e a pressão sanguínea.

    Os actos aleatórios de bondade são muito poderosos

    A pesquisa ciêntífica confirma-o abundantemente. “Fazer bondade torna-nos mais felizes e ser mais feliz faz-nos praticar actos de bondade”, disse Richard Layard, professor emérito de economia na London School of Economics e autor do livro “Can We Be Happier?”

    Sonja Lyubomirsky, professora de psicologia na Universidade de Riverside na Califórnia, testou esse conceito em várias experiências ao longo de 20 anos. Ela constatou, reiteradamente, que as pessoas se sentem ainda melhor quando são bondosas para com os outros do que quando são bondosas para consigo próprias.

    “Os actos de bondade são muito poderosos”, disse Lyubomirsky.

    Numa experiência que efectuou, Lyubomirsky pediu aos participantes para praticarem três actos de bondade adicionais por semana. Ao primeiro grupo pediu que realizassem três actos de bondade para com outras pessoas. E, aos participantes de outro grupo, pediu que os realizassem para consigo mesmos. Poderiam ser pequenos gestos, como abrir uma porta para alguém, ou algo com mais impacto. Os dados demonstraram que as pessoas que foram bondosas para com os outros sentiam-se mais felizes e mais ligadas ao mundo do que as que tinham sido gentis para consigo mesmas.

    As sociedades mais bondosas são também as mais felizes

    Anat Bardi, psicóloga da Universidade de Londres que estuda sistemas de valores, realizou um estudo cujos dados revelaram que a bondade é o valor mais prezado acima de qualquer outro. Os investigadores agruparam os valores em dez categorias e perguntaram às pessoas qual o mais importante. A benevolência ou bondade, destacou-se, ultrapassando a segurança, o hedonismo, ter uma vida excitante, a criatividade, a ambição, a obediência ou a justiça.

    Bardi realizou este estudo em dezenas de outros países e obteve sempre o mesmo resultado. As pessoas tendem a valorizar mais a bondade. A bondade também ficou em 1º lugar nos países escandinavos, os mais felizes nos rankings mundiais anuais. Então, não é surpreendente que as sociedades mais bondosas sejam também as mais felizes.

    O “World Happiness Report“, um projecto desenvolvido pelas Nações Unidas, também revelou que não é a riqueza das sociedades que as torna mais felizes. A felicidade e a satisfação com a vida são mais fomentadas por factores como a confiança e o apoio social, manifestações de bondade explicitas, do que por factores económicos.

    O “World Happiness Report” de 2019 sugeria que, mais do que a riqueza, é a generosidade (ser bondoso distribuindo riqueza) que está positivamente correlacionada com a felicidade nas sociedades. Isto coincide com outros dados científicos que mostram que tendemos a sentir-nos mais recompensados quando agimos com bondade e beneficiamos os outros.

    Bondade, empatia e compaixão andam de mãos dadas

    A bondade é naturalmente influenciada pela empatia e pela compaixão. Dado que a bondade é vital para nós, tanto a nível biológico como social, devemos investir em formas de a cultivar.

    No entanto, cultivá-la apenas por nós próprios pode ser insuficiente se queremos transformar o mundo num lugar mais pacífico. Assim, é essencial ensinarmos também as crianças a desenvolver estas competências e as tendências que as sustentam.

    Isso inclui introduzir práticas de auto-cuidado e bondade tanto em casa como nas escolas para que as crianças beneficiem deste conhecimento. Só assim poderão iniciar práticas de bondade e auto-cuidado desde a mais tenra idade.

    Ensinar a bondade às crinaças pelo exemplo

    Eu referi atrás que aprendi sobre bondade, sobretudo, com a minha mãe. Ela era a personificação da generosidade e vibrava sempre que praticava o bem ou o testemunhava em alguém. Acima de tudo, ela salientava a importância de o fazer, especialmente para quem o praticava. Esse conceito ficou entranhado em mim, pelo exemplo.

    A verdade é que as crianças aprendem por modelagem, ou seja, reproduzem o que vêem os adultos fazerem. O lema “faz o que eu digo e não o que eu faço” não funciona. Logo, é preciso que tanto progenitores como educadores pratiquem o auto-cuidado e a bondade para que as crianças interiorizem, efectivamente, esses conceitos.

    E, quero aqui sublinhar dois aspectos importantes. Em primeiro lugar, o auto-cuidado é uma necessidade, não um luxo. Não se pode matar a sede a alguém com um copo vazio.

    Em segundo lugar, da mesma forma que precisamos de praticar a auto-compaixão, o mesmo se aplica a actos de bondade para connosco. A bondade para consigo mesmo é tão importante quanto para com os outros. Geralmente, somos muito céleres a nos criticarmos e depreciarmos e menos deligentes a nos valorizamos.

    Este é outro conceito importante a ensinar às crianças desde cedo. Todavia requer mudanças de comportamento nos adultos se quiserm que as crianças venham a ser adultos emocionamente equilibrados e felizes.

    Se gostou do artigo, deixe o seu comentário. A sua opinião é muito importante para mim.

    Racionalidade ou Autenticidade

    3 anos atrás · · 0 Comentários

    Racionalidade ou Autenticidade

    Acredito que a maioria de nós, fala principalmente com a razão, ou seja, falamos sem muita conexão com o que realmente sentimos, e até pensamos que essa é a forma mais adequada de comunicar. Na interacção com os outros, ou até no nosso diálogo interno, optamos pela racionalidade em prejuizo da autenticidade. Achamos que isso é um acto inocente e essencialmente inevitável. Contudo, tenho percebido motivações mais profundas neste hábito aparentemente inócuo.

    A forma como comunicamos visa a interacção segura

    A maior parte daquilo que dizemos, é um esforço para criar segurança com a pessoa com quem estamos a comunicar. Somos tão intuitivos que, rapidamente conseguimos perceber o que a outra pessoa quer ouvir e, então, alimentamo-a de uma forma ou de outra. Por outras palavras, a maioria das coisas que dizemos tem como objectivo ajudar-nos a interagir em segurança – ou seja, sem corrermos o risco de ofender outras pessoas, sofrer qualquer humilhação significativa ou criar conflitos.

    Isso, na verdade, é um mecanismo de autoprotecção, que nos informa que toda a interacção representa uma ameaça ao nosso bem-estar, á nossa identidade, ao nosso ego. Portanto, as principais prioridades são segurança e protecção nos relacionamentos.

    Mas, vamos imaginar que haja uma maneira de estarmos em contacto com o nosso fluxo interior, com a nossa alma, que nos permita fazer uma pausa antes de falar, e ouvirmos os impulsos que emanam do rio que flui dentro de nós. Com efeito podemos falar a partir desse rio e, no processo, dissolver a racionalidade, o ego, o nosso ladrão de sonhos.

    A alma deseja interagir com o nosso mundo

    Para fazermos isso, precisamos entender que a alma deseja interagir continuamente com o nosso mundo. Racionalidade, ego, mente, ladrão de sonhos – nada disso pode existir na presença do Espírito ou da alma. É como se a Luz fosse subitamente acesa e, instantaneamente lançasse as sombras no vazio.

    No momento em que nos preparamos para falar, temos poder de escolha – ou falamos a partir da racionalidade, o que na verdade significa assumir um personagem, falar a partir do ego, do ladrão de sonhos, do lugar do medo. Ou fazemos uma pausa, esvaziamos a mente e abrimo-nos. Ou seja, sem racionalizar e sem reagir, esperamos apenas o momento de abertura e permitimos que a alma nos informe o que dizer.

    Isto não é tão difícil quanto possamos imaginar, principalmente porque a alma quer guiar-nos em cada palavra e acção. Ao pausar e esperar pelo impulso crescente da alma – que é uma sensação de plenitude repentina na nossa mente e um conhecimento interior de que as palavras certas estão sempre disponíveis – permitimos que algo mais profundo dentro de nós se expresse através de nós. E, como tudo, com a prática torna-se rapidamente um hábito.

    Frequentemente, quando falamos apenas com a razão, traímo-nos, porque somos obrigados a falar e a agir a partir da urgência do medo e de uma necessidade desesperada de segurança. Esses sentimentos podem ser inconscientes. Mas pensemos em quantas vezes dissemos sim a algo que gostaríamos de ter dito não, ou dissemos não a algo que gostaríamos de ter abraçado. O ego, esse ladrão faminto e impulsivo, furta-nos o tempo de espera por uma resposta que emergiria de um lugar mais profundo dentro de nós. Esse recurso mais profundo é a nossa alma, que nunca iria trair-nos, ou conduzir-nos a situações em que as nossas necessidades não fossem atendidas.

    Todos nós somos abençoados com uma voz interior, que nos ama e apoia.

    Todos temos uma voz interior, que nos ama e apoia, quando o permitimos. Esse fluxo de amor dentro de nós é a voz do Sim. E sem que a maioria de nós o saiba, essa é a voz da nossa alma. Inicialmente ela parece-nos a nossa própria voz, encorajando-nos a avançar e a continuar a acreditar. É uma voz positiva, em oposição à voz faminta do ego, do ladrão de sonhos que nos desencoraja, mesmo quando as coisas estão a correr bem. “Sim”, diz o ladrão faminto, “desta vez tiveste sorte, mas para a próxima as coisas podem correr muito mal.”

    A voz do Sim diz: “Presta atenção: Esta situação foi resolvida, tal como todos os desafios são resolvidos – permitindo-te co-criar a tua vida. Tens dentro de ti o potencial para realizar os teus sonhos mais preciosos, ter felicidade e alegria, florescer e te tornes a pessoa que desejas ser.”

    A voz do sim oferece-nos amor e apoio incondicionais

    A voz do Sim oferece-nos garantias constantes do seu amor, ternura e apoio incondicionais. “Não tenhas medo, estamos contigo”, diz a voz de Sim. “Estás a ir muito bem. Estamos tão orgulhosos de tudo o que te tornaste. Todos os desafios que enfrentas, têm solução. Basta seguires o caminho que colocamos diante de ti e serás levado às respostas que procuras. Estás seguro e nós apoiamos-te com amor.”

    Ninguém tem culpa der ter a voz do Não na mente. Todos nós fomos ensinados por pais, avós, professores, mentores, colegas de trabalho e amigos a interpretar todos os eventos das nossas vidas através dos programas do Não. Esse treino, bem intencionado, foi tão completo e profundo que dificilmente conseguimos ver os seus efeitos nas nossas vidas. Nós só nos tornamos conscientes dos seus efeitos nefastos e, por vezes, devastadores quando ficamos saturados dos nossos medos e da nossa raiva, e de todos os resultados negativos que eles criam. Nessa altura, começamos a abrir-nos a outros programas e a outra voz – ao programa e à voz do Sim, que é a voz e o caminho do amor.

    Quanto mais praticamos e ouvimos a voz do Sim, mais poderosa ela se torna nas nossas vidas.

    O momento ideal para praticar a voz do Sim é à noite, quando já estamos deitados na cama, imediatamente antes de adormecer. Nessa altura, a sentinela do Ego relaxa, em grande medida porque se sente segura. Sempre que se sente em segurança, o ladrão de sonhos baixa a guarda e a sua voz cala-se. Então, nesse momento, deixe-se ficar quieto e tranquilo.

    Perceba se consegue sentir uma energia crescente dentro do seu plexo solar a fluir para o seu coração. Delicadamente, dê voz a essa sensação e permita-se sentir as palavras de amor e apoio a fluir à sua mente. O rio corre através de nós e para a vida. Flui com amor, poder e criatividade. As suas águas cantam e tilintam em brados de alegria e êxtase. Observe a torrente dessas águas cristalinas e purificadoras a limpar tudo o que quer libertar. Sinta-se preencher com esse amor infinito e incondicional, sacie-se na Fonte.

    O Dom das emoções negativas

    3 anos atrás · · 2 comentários

    O Dom das emoções negativas

    Desde há alguns anos a esta parte, a palavra de ordem é POSITIVO. Ouvimos a toda a hora que é preciso “ser positivo”, “pensar positivo” ou “sorrir mais”, (eu própria já tenho um pouco esse hábito), como se isso fosse assim tão fácil ou até como se fosse errado sentir emoções negativas.

    Segundo o psicólogo Todd Kashdan é justamente a busca desenfreada pela felicidade que pode estar a tornar-nos psicologicamente mais frágeis.

    No seu livro, “The Upside of Your Dark Side: Why Being Your Whole Self — Not Just Your ‘Good’ Self — Drives Success And Fulfillment”, em co-autoria com Robert Biswas-Diener, Kashdan defende o valor das emoções negativas.

    Kashdan considera que a procura desenfreada da felicidade anda de mãos dadas com uma forte tendência pela busca do bem-estar, evitando qualquer tipo de desconforto, e isso, argumenta, está a enfraquecer-nos psicologicamente.

    Porquê? Porque as emoções negativas são um recurso psicológico natural muito importante. Pois é, a negatividade pode ajudá-lo a construir uma versão mais resiliente e eficaz de si mesmo e, consequentemente, uma vida mais feliz e satisfatória.

    Eu não estou a defender que ser negativo é melhor do que ser positivo, mas há momentos em que é necessário sentirmos as emoções negativas e, permitirmo-nos alguma negatividade pode ajudar-nos a alcançar melhores resultados na vida, no trabalho, nos relacionamentos, etc.

    O segredo é praticar a “agilidade emocional” que nos permita reconhecer as emoções apropriadas (positivas ou negativas) para qualquer situação em que nos encontremos, e desenvolver a habilidade de restabelecer o equilíbrio entre emoções positivas e negativas.

    É claro que as emoções positivas geram uma sensação mais prazerosa, mas isso não significa que devemos estar sempre em estados mentais positivos, pois a vida é pautada por desafios e perdas inevitáveis, e a dor precisa ser reconhecida, aceite e sentida para ser devidamente elaborada.

    Eis alguns bons motivos pelos quais devemos permitir-nos a negatividade:

    1. As emoções negativas são naturais

    Como seres humanos, sentirmo-nos tristes, zangados, ansiosos, stressados e com medo é uma consequência natural dos acontecimentos do dia-a-dia, e isso é perfeitamente aceitável.

    Quando reprimimos as emoções negativas, estamos a negar-nos um estado emocional muito natural. Estamos a dizer a nós próprios que não podemos sentir-nos tristes, ansiosos, stressados ou ​​com medo quando tudo em nós nos pede desesperadamente para libertarmos essas emoções, reconhecermos e expressarmos esses sentimentos.

    Se nos forçamos sempre a sorrir quando tudo o que mais queremos fazer é chorar, estamos a maltratar-nos psicologicamente, e isso, a longo prazo, terá um impacto devastador no nosso bem-estar psicológico.

    2. A ansiedade é impulsionadora

    Em situações de perigo a ansiedade fala mais alto que a positividade e ajuda-nos a encontrar soluções para os problemas. Em situações de crise, as pessoas ansiosas encontram soluções rapidamente e, quando inseridas num grupo (amigos, família, colegas de trabalho), partilham os problemas e as soluções. Os grupos são mais bem-sucedidos quando incluem vários tipos de personalidade, nomeadamente uma sentinela ansiosa.

    1. O medo deixa-nos mais alerta

    As emoções negativas existem por um motivo. Elas protegem-nos, tornam-nos conscientes dos perigos e informam-nos que há algo errado no nosso ambiente ou em nós.

    O medo, por exemplo, ajuda-nos a reagir ao perigo, torna-nos mais conscientes das potenciais ameaças à nossa volta.

    Com efeito, é bom ser despreocupado, mas, as emoções positivas podem tornar-nos mais indiferentes, demasiado relaxados ou excessivamente confiantes e, se isso implica menos atenção aos riscos, menos consciência dos perigos, o que também representa uma ameaça e tem impacto negativo tanto em nós como naqueles que nos rodeiam.

    1. O desconforto é um motivador

    Ninguém muda porque se sente bem. As emoções são métricas psicológicas do nosso bem-estar e dizem-nos quando estamos mais ou menos felizes. Nós só mudamos quando sentimos que há algo errado na nossa vida que nos deixa infelizes e não suportamos mais.

    As emoções negativas são geradoras de mudanças positivas porque nos levam a agir quando estamos insatisfeitos com algo ou com o rumo das nossas vidas. Assim, é importante ouvi-las logo que começamos a senti-las, regular a sua intensidade e começar a agir de maneira mais saudável em relação às mudanças que desejamos implementar nas nossas vidas.

    1. O sentimento de culpa torna-nos pessoas melhores.

    O sentimento de culpa fortalece o nossa carácter e fibra moral, motiva-nos a ser cidadãos socialmente mais sensíveis e conscientes do que seríamos de outro modo. A pesquisa demonstrou que, os adultos que tendem a sentir culpa são menos susceptíveis a conduzir embriagados, consumir drogas ilícitas, roubar ou agredir outra pessoa. Se o carácter se reflete no que fazemos quando ninguém está a ver, então a culpa é uma das emoções morais básicas que estão na base de sustentação da construção do carácter.

    1. Duvidar de si mesmo fortalece seu desempenho.

    Algo que muitos não compreendem é o facto de que a dúvida, em doses moderadas, exerce uma função salutar. A dúvida é um estado psicológico que nos leva a fazer uma autoavaliação das nossas habilidades e nos impulsiona a melhorar em áreas onde podemos ser insuficientes.

    A dúvida pode ser benéfica, porque, quando nos sentimos inseguros quanto ao desempenho, esses sentimentos incentivam a colaboração com os outros, fomentam a reflexão pessoal, motivam o desenvolvimento pessoal e preparam a pessoa para aceitar mudanças.

    Em conclusão, as emoções negativas, quando adequadas às circunstâncias, são úteis e devem ser encaradas como tal.

    Volto a sublinhar, não estou a desvalorizar o optimismo, antes pelo contrário. Contudo, é importante reconhecermos que somos seres humanos e que, como tal, sentimos emoções positivas e negativas, e isso é perfeitamente natural. A chave para uma vida plena é saber quando e como usar as nossas emoções adequadamente, a fim de construirmos versões mais autênticas e argutas de nós mesmos e vivermos vidas mais plenas e satisfatórias.

    Feito com ♥ por Ana Paula Vieira
    Conteúdos da autoria de Ana Paula Vieira. Todos os direitos reservedos
    error: Content is protected !!