Ser mãe é um privilégio e uma dádiva!

A maternidade foi o papel mais importante que desempenhei em toda a minha vida!

Faz hoje 31 anos que fui mãe pela primeira vez. Continuam vivos dentro de mim os pormenores daquele momento mágico. Doloroso, mas mágico.

É indescritível o turbilhão de emoções que experiênciei quando dei à luz aquele ser, perfeito e indefeso. Chegou ao mundo manifestando o seu desagrado. Chorou no primeiro instante e só acalmou quando o colocaram sobre o meu peito, como se me tivesse reconhecido… como se tivesse chegado a casa!

A partir daquele momento a minha vida mudou para sempre

A minha vida, como a conhecera e vivera até ali, mudou para sempre. Eu mudei para sempre! Deixei de ser eu, passei a ser a mãe. Fascinada e ao mesmo tempo aterrorizada com a possibilidade de não saber cuidar daquele ser tão frágil, o meu coração parecia que ia explodir. O meu amor já não cabia em mim, expandia-se para além de mim e o meu filho era a extensão viva do meu amor.

O amor de mãe é indescritível

Não há palavras para descrever o amor de mãe. É um amor como não há outro amor igual. A mãe é uma fonte inesgotável de amor que se multiplica por quantos filhos tenha. Ser mãe é colocar a vida de outro ser à frente da sua, sem hesitar. É altruísmo puro, é entrega total, sem reservas.

A maternidade, a ligação entre mãe e filho, nasce muito antes do parto, é uma relação que se vai construindo ao longo da gravidez. Quer tenhamos disso consciência ou não. O parto é o culminar da experiência fascinante da gestação e, esse fascínio perdura. Entre a alegria da maternidade, o fascínio por aquele ser, tão pequenino e tão indefeso, surge também o medo de errar.

Foram muitas as dúvidas e receios, mas o desejo cuidar, proteger e suprir todas as necessidades do meu bebé venceram qualquer obstáculo. O meu foco, o centro das minhas atenções era apenas e só aquele pequeno ser.

Ser mãe foi um privilégio

Para mim, foi um enorme privilégio e uma bênção, ser mãe dos meus filhos. Poder dedicar-me totalmente a eles, afagá-los, dar-lhes colo, aconchegá-los, abraçá-los, alimentá-los e protegê-los. Foi o papel mais desafiante e extraordinário que desempenhei em toda a minha vida.

Estar atenta às necessidades de outro ser, cuidar, interpretar os seus sinais e a sua linguagem, ajudá-lo a crescer, desvendar os seus mistérios, é sem dúvida algo único. A qualidade da relação entre mãe e filho contribui positivamente para o desenvolvimento emocional e afectivo da criança. Por isso, congratulo-me por ter contribuído para a formação de seres afectuosos, compassivos, generosos e únicos. O elo que se estabeleceu entre nós é indestrutível.

Com o meu filho aprendi as lições mais profundas, significativas e transformadoras

Por isso, hoje celebro o nascimento do meu primogénito e também a minha transformação. Porque este filho, em particular, veio até mim para me ensinar as lições mais profundas, significativas e transformadoras. Foi com este filho que eu aprendi o significado da paciência, do amor incondicional, do altruísmo e da benevolência. Foi também com este filho que aprendi a impor limites e a dizer não. Foi este filho que me ensinou a ser mãe, e com ele aprendi que o amor de mãe é infinito e imutável.

Uma mãe, nunca deixa de o ser, mesmo depois dos filhos deixarem o lar, os filhos continuam a habitar o seu coração e os seus pensamentos. Ser mãe é para sempre! O amor de mãe é para sempre!

4 Responses

  1. Maria do Céu Arsénio Balé

    Olá Ana !
    Emocionei-me, adorei ler aquilo que realmente sinto e que aqui foi dito por palavras simples e muito sentidas.
    Obrigada pela partilha.
    BomFimSemana
    Beijinhos

  2. Dulce Camacho

    Lindo, simplesmente maravilhoso.
    Grata pela partilha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.