fbpx

Li e Aceito a Política de Privacidade.

Marcação

Entre em contacto directo comigo para marcar uma sessão presencial (em Alfragide, Lisboa) ou online. A data indicada no formulário é apenas uma data da sua preferência, não a definitiva. Irei entrar em contacto para agendamento, tendo em conta a preferência que indiciou.

Telefone:
918 762 620

Envie um email:
contacto@anapaulavieira.pt

O Luto em Crianças e Adolescentes

1 mês atrás · · 0 Comentários

O Luto em Crianças e Adolescentes

A morte é um assunto Tabu na nossa sociedade (Ocidental) e, consequentemente, o tema não é abordado nas escolas nem pelas famílias. Todavia é expectável que, qualquer pessoa que viva de acordo com a esperança de vida estimada, sofra muitas perdas ao longo da sua vida, sejam de familiares e amigos, de colegas ou de animais de estimação. O resultado desta atitude é que, quando a perda ocorre não sabemos o que fazer e/ou dizer às crianças, deixando-as à deriva, confusas e frequentemente assustadas.

Como explicar a morte às crianças e adolescentes

Se o adulto, perante a morte fica desorientado, a criança e o adolescente ficam muito mais perdidas pois falta-lhes a informação, a explicação do que aconteceu e de como irá continuar a viver sem o ente querido que perdeu. É óbvio que isso irá causar dor e sofrimento, mas é o primeiro passo para que haja uma compreensão da morte e iniciar o processo de luto, pois a elaboração do luto implica, necessariamente, sentir a dor da perda.

A criança, tal como o adulto, tem idêntica dificuldade em compreender a morte como irreversível, mas se ela já teve um animal de estimação que morreu, pode sempre usar-se o exemplo para explicar-lhe essa irreversibilidade. Também é útil dizer à criança que é natural sentir tristeza e/ou vontade de chorar, ou desejar que o ente querido volte, pois isso vai de encontro ao que ela está a experienciar e dá-lhe a segurança de que os seus sentimentos e emoções são aceites, que é compreendida.

Se a família acredita na vida depois da morte, ou tem crenças religiosas, filosóficas ou outras, deve explicá-las à criança para que esta possa entendê-las e participar no luto familiar. Estas práticas irão ajudar a criança a sentir o seu pesar pelo ente querido, e a expressar as suas emoções e pensamentos de forma saudável.

Por mais doloroso e penoso que seja para o adulto, a criança deve ser informada tão cedo quanto possível, da perda. A verdade é que temos tanto medo de traumatizar a criança que, em geral, optamos por ocultar a verdade à criança dizendo que o ente querido foi viajar, ou que agora é uma estrelinha… e isto é precisamente o que não se deve dizer.

O que não dizer à criança

Quando a pessoa morre, por mais penoso que seja para o adulto, há coisas que nunca deve dizer:

  • Que foi viajar – a criança aguarda pelo regresso do ente querido e, quando se apercebe do logro, culpa o adulto pelo engano e perde a confiança.
  • Que está a dormir – a criança interpreta isso de forma literal e pode suscitar-lhe medo de adormecer e não voltar a acordar.
  • Que foi para o céu – a criança acredita que o céu é um lugar como os outros e, por conseguinte, aguarda o seu regresso.

O luto deve ser vivenciado em família, portanto a tristeza e a dor devem ser partilhadas e não ocultadas da criança e/ou do adolescente, sob pena de optarem, também elas, por esconder as suas emoções, deixar de fazer perguntas ou expressar os seus sentimentos.

O que a criança necessita para fazer o luto

Tudo o que a criança – ou adolescente – necessita para elaborar o seu luto de forma saudável, é sentir-se amada, protegida, bem nutrida e acolhida no seio da família (ou pelos cuidadores). O processo de luto da criança torna-se mais fácil se esta se sentir segura para falar das suas angústias e dos seus sentimentos. O adolescente, em particular, precisa sentir esta segurança e protecção na medida em que, além das suas próprias mudanças sente que os seus pares não o compreendem.

Em suma, tudo o que a criança (ou adolescente) necessita perante a perda é de se sentir amada, acolhida e protegida, ser cuidada e nutrida, ser tratada com honestidade e sinceridade, sentir que tem liberdade de expressão e alguém que a ouça e compreenda, e que, sempre que queira, dispõe de um porto de abrigo seguro onde se refugiar.

Categorias: Uncategorized

Ana Paula Vieira

Ana Paula Vieira

Sou mulher, mãe, esposa e, profissionalmente sou Coach, Conselheira de Luto, Hipnoterapeuta e Terapeuta Energética.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Feito com ♥ por Krystel Leal e Ana Paula Vieira
Conteúdos da autoria de Ana Paula Vieira. Todos os direitos reservedos
error: Content is protected !!