Como Lidar com o stress de uma experiência traumática

O stress após um trauma pode ser debilitante

O trauma advém de qualquer tipo de evento ou experiência angustiante. Uma vivência traumática pode ter efeitos debilitantes e muito abrangentes que podem afectar o funcionamento normal da pessoa. Esses efeitos podem se agravar e intensificar, sobretudo se não souber como lidar com o stress decorrente dessa experiência.

O stress afecta a saúde mental e física, a qualidade do trabalho e das relações. Assim, os efeitos do stress que surge após um evento traumático podem ser muito significativos. A pessoa pode sentir-se isolada, ter dificuldade em regular ou expressar as suas emoções, em manter o emprego ou ser incapaz de confiar noutras pessoas.

O que é um evento traumático

Um acontecimento traumático pode causar danos emocionais, físicos e psicológicos. A  5ª edição do Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais, o DSM-5, define o evento traumático como algo angustiante experienciado na primeira pessoa ou testemunhado. O DSM-5 refere ainda que os elementos desencadeadores de stress pós-traumático (SPT) são a exposição real ou perspectivada a eventos como:

  • Morte
  • Lesões graves
  • Violação sexual

O choque ocorre devido à vivência directa ou testemunhada de um acontecimento traumático. Pode ser experienciado pessoalmente ou ter ocorrido a um familiar ou amigo próximo (morte ou ameaça de morte, violenta e/ou acidental). Por isso é tão importante saber como lidar com o stress derivado da experiência traumática.

Um evento traumático provoca um abalo nas dimensões de bem-estar e pode originar feridas emocionais. Pode originar um estado de choque, em especial, se a pessoa for apanhada de surpresa e não for capaz de o processar.

Sinais de que alguém está a debater-se com stress do trauma

Apesar de muitas pessoas passarem por algum tipo de experiências dolorosas – como a morte inesperada de um ente querido ou um acidente de viação – nem todas ficam traumatizadas. Porém, todos podem sentir sintomas semelhantes aos do stress pós-traumático porque são sintomas comuns em resposta a eventos traumáticos.

O trauma pode desencadear stress pós-traumático e uma série de sintomas físicos e emocionais. Infelizmente, muitas pessoas que passaram por uma catástrofe, crise ou trauma acham que não precisam de ajuda. Embora reconheçam a angústia psicológica, desvalorizam os seus efeitos. Depois pioram. Os sinais mais comuns incluem: dormência, confusão, dissociação, tonturas e batimentos cardíacos rápidos.

Identificar sinais de que a pessoa se está a debater com um trauma não é assim tão simples como possa parecer à primeira vista. Em alguns casos a pessoa pode parecer abalada ou “fora de si”. No pode agir como se nada tivesse acontecido, ou seja, pode se dissociar ou se desconectar da realidade.

Porém, há outros sinais que podem ser mais fáceis de identificar. No caso de uma pessoa estar afectada pelo trauma pode, por exemplo, revelar estados de elevada ansiedade ou ataques de pânico. Outros sinais comuns são: alterações de humor, raiva, irritabilidade; desânimo ou tristeza; terrores nocturnos; cansaço, letargia, entre outros.

A importância das estratégias de enfrentamento

Os eventos como uma morte inesperada, um acidente ou doença grave, uma violação ou catástrofe são muito marcantes. E podem afectar e interferir com várias áreas da vida. A fim de realizar uma recuperação eficaz, é preciso enfrentar a dor. Para se curar do trauma é necessário implementar estratégias saudáveis para lidar com esse stress. Ou seja, o uso de mecanismos de adaptação após um evento traumático pode proporcionar uma sensação de controlo sobre a vida e renovar a esperança.

Quando alguém passa por um trauma aumenta a probabilidade de desenvolver uma série de problemas de saúde mental. Os mais comuns são, por exemplo, depressão, distúrbios de ansiedade, alimentares e/ou do sono; o uso de substâncias nocivas ou comportamentos lesivos. O trauma tem um impacto emocional cumulativo. É por essa razão que experiências dolorosas anteriores constituem factores de risco.

A pesquisa tem revelado que as mulheres são mais susceptíveis ao stress pós-trauma. Contudo, as mulheres são mais resilientes. Por outro lado, dados recentes revelam que a probabilidade de tentar o suicídio é 6% maior nos homens que sofreram traumas do que nas mulheres.

Estratégias eficazes para lidar com o stress pós-trauma

As estratégias para lidar com o stress pós-trauma podem ser baseadas nas emoções ou na resolução de problemas. A via de adaptação, quer seja focada nas emoções ou nos problemas, deve ajudar a acalmar o stress sem evitar o problema. Ou seja, a reacção correcta depende frequentemente da situação e das suas necessidades específicas no momento.

A abordagem baseada nas emoções é particularmente útil quando precisa de cuidar dos seus sentimentos. Se, por exemplo, sofreu uma perda significativa, é importante que lide com os seus sentimentos de forma saudável (uma vez que não pode mudar as circunstâncias). Então, se as circunstâncias estão fora do seu controlo ou não quer mudar a sua situação, é inútil adoptar uma abordagem analítica.

Mas se estiver numa relação abusiva ou pouco saudável, é aconselhável que recorra a uma abordagem baseada na capacidade de resolução de problemas. Ou seja, ela é útil quando precisa de mudar a sua situação ou eliminar algo stressante da sua vida.

Estratégias baseadas nas emoções

Eis algumas competências saudáveis de lidar com as emoções:

  • Autocuidado: Aplicar uma loção no corpo, tomar banho de imersão, beber chá.
  • Passatempos: Fazer algo que lhe agrade, tal como pintar, desenhar, ler ou ouvir música.
  • Fazer exercício físico: yoga, caminhada, natação ou outro desporto recreativo.
  • Tarefas domésticas: Limpar a casa (ou área, um armário ou gaveta ), cozinhar, jardinar.
  • Mindfulness: meditação activa ou passiva, foco nos sentidos.
  • Relaxamento: exercícios respiratórios, apertar uma bola de stress, fazer aromaterapia ou relaxamento muscular progressivo.

Estratégias baseadas na resolução de problemas

  • Pedir apoio a um amigo ou a um profissional.
  • Criar uma lista de afazeres.
  • Envolver-se na resolução de problemas.
  • Estabelecer limites saudáveis.
  • Afastar-se e deixar uma situação que lhe está a causar stress.
  • Trabalhar para gerir melhor o seu tempo.

Como ajudar alguém que se debate com o stress pós-trauma

As pessoas que sofrem traumas enfrentam, com frequência, flashbacks, pesadelos, perturbações do sono e outros sintomas. Por vezes, estas afectações são tão graves que interferem com a vida quotidiana.

Portanto, se conhece alguém que tenha passado ou esteja a passar por um evento ou crise traumática, eis algumas maneiras de ajudar:

  • Esteja disponível para ouvir sem julgar e assegurar que estão em segurança
  • Reconheça o seu sofrimento e reafirme a sua capacidade de enfrentar e lidar com a situação
  • Seja compassivo e compreensivo e não leve as explosões a peito
  • Encoraje-os a descansar bastante e a comer bem
  • Assegure-se de que têm tempo para eles
  • Garanta que têm outras pessoas na sua rede de apoio e na sua vida
  • Ajude-os a reconhecer quando está na hora de procurar ajuda externa

Apesar de reconhecerem a angústia psicológica, muitas das pessoas que passaram por um trauma ou tragédia acham que não precisem de ajuda. Elas desvalorizam os efeitos do stress e isso tem impacto negativo em todas as áreas da sua vida. Além de aumentar o risco de DSPT e outros problemas de saúde mental, afecta a sua saúde física. Por isso, é tão importante encorajá-las a procurarem ajuda.

Conclusão

Em primeiro lugar, quando se trata de habilidades de enfrentamento, há sempre espaço para melhoria. Por outro lado, o que serve para uns pode não servir para outros. Então, experimente várias estratégias de enfrentamento até descobrir quais as que funcionam melhor para si. Por fim, reúna as melhores e desenvolva o seu próprio reportório. Ou seja, crie os seu kit de estratégias de enfrentamento com as competências que lhe sejam úteis.

A capacidade de lidar com o stress pós-trauma depende da aptidão para enfrentar as dificuldades. Portanto, é essencial saber gerir as emoções e resolver problemas. Ou seja, essas competências vão ajudar, não só a tolerar, minimizar e lidar com os sintomas do trauma, mas também com outras situações stressantes na vida. Ao gerir bem o stress vai sentir-se melhor física e psicologicamente. Isso, por sua vez, pode ter impacto no seu bem-estar e na sua capacidade de dar o seu melhor.

P.S. : Se gostou do artigo deixe o seu comentário. É sempre inspirador saber a opinião de quem lê. E, se há algum tema que gostasse de ver abordado, deixe as suas sugestões. São todas bem acolhidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.