fbpx

Li e Aceito a Política de Privacidade.

Marcação

Entre em contacto directo comigo para marcar uma sessão presencial (em Alfragide, Lisboa) ou online. A data indicada no formulário é apenas uma data da sua preferência, não a definitiva. Irei entrar em contacto para agendamento, tendo em conta a preferência que indiciou.

Telefone:
918 762 620

Envie um email:
contacto@anapaulavieira.pt

Equinócio de Outono – que influência tem na nossa vida?

4 meses atrás · · 0 Comentários

Equinócio de Outono – que influência tem na nossa vida?

O Equinócio é o fenómeno em que o dia e a noite têm aproximadamente a mesma duração, 12 horas. Equinócio deriva do latim “æquinoctium, composto pelas palavras aequus e nox, que significam “igual” e “noite”. Este termo é utilizado para assinalar a transição entre estações, o início do Outono e da Primavera. Os dias de equinócio são tipicamente considerados dias de ajuste, de equilíbrio entre o dia (que tem uma energia Yang, masculina, activa) e a noite (que tem uma energia Yin, feminina, receptiva).

O Equinócio de Outono tem um profundo simbolismo

O Equinócio de Outono tem um profundo simbolismo de libertação do que já não serve, de desprendimento e de criação de espaço para o novo. Os frutos amadurecidos ao longo do Verão são colhidos, as folhas das árvores caiem, deixando-as despidas para acolher o Inverno. É uma estação de colheitas e de celebração, de mudança e de renovação. À semelhança da natureza, também nós somos convidados ao recolhimento, à reflexão, ao desapego e à libertação do que já não nos serve para criar espaço para o novo.

É um tempo de celebração e de reconhecimento

É um tempo de celebração do que se realizou e alcançou, e também de fazer balanços e reflectir sobre o que conseguimos e para onde queremos seguir. É um período de reconhecimento do que se tem aprendido e colhido ao longo do ano e de como se irá usar essa aprendizagem no futuro.

O Outono é o encerramento de um ciclo e a abertura de outro. É uma estação que propicia o senso de equilíbrio e convida a um olhar atento e cuidadoso sobre a nossa vida. É uma época em que podemos observar a dualidade entre as nossas necessidades pessoais e os compromissos com o mundo que nos rodeia.

É um tempo de autoavaliação, celebração e partilha

É um momento de autoavaliação e de balanço; de celebração e de partilha; de preparação para os rigores do Inverno, de autocuidado e reforço do sistema imunitário; de expansão da criatividade, de planeamento e de estruturação para o futuro. Neste período é-nos dada a oportunidade de encontrar o ponto de equilíbrio das nossas vidas, de conciliar as nossas necessidades internas com as exigências do mundo exterior.

À medida que as noites se alongam, podemos reservar tempo para meditar e reflectir sobre o que desejamos, identificar forças e vulnerabilidades, e nutrir novas sementes que florescerão na próxima primavera. É um período em que somos convidados a focar no essencial e a dispensar o acessório, a largar o supérfluo e a cultivar o autêntico. O Outono recorda-nos a importância de sermos genuínos, de nos libertarmos das máscaras, de levarmos luz às nossas sombras e de integrarmos todas as nossas partes.

O Outono traz-nos uma nova oportunidade de cura e libertação

O Outono traz-nos uma nova oportunidade de cura das feridas emocionais, de libertação de mágoas e ressentimentos, de reencontro com nós mesmos e de resgate de quem verdadeiramente somos. Convida-nos ao mergulho interior, a tomar consciência de padrões de comportamento e pensamento nocivos, a eliminar hábitos prejudiciais e a libertar emoções tóxicas.

É também neste período que somos lembrados da importância da harmonia e do equilíbrio emocional para as nossas vidas. Somos instados a cultivar a paz interior e a fortalecer a nossa estrutura emocional para permitir que um novo “Eu” renasça, mais forte, mais livre, mais realizado, mais pleno e mais feliz.

Gostou deste artigo?

Deixe o seu comentário. Subscreva a newsletter para estar sempre a par das novidades, ofertas e promoções e novos artigos.

Síndrome do ninho vazio ou o vazio incontornável…

10 meses atrás · · 2 comentários

Síndrome do ninho vazio ou o vazio incontornável…

O momento em que os filhos saem de casa para construir os seus próprios projectos de vida, é uma fase complicada, principalmente para os pais que dedicaram toda a sua vida aos filhos. Embora muitos pais também sejam afectados com a partida dos filhos, geralmente são as mulheres quem tem mais dificuldade em lidar com esse ritual de passagem. Quando os filhos se vão embora, elas sentem um enorme vazio e, a sensação de que eles abandonaram o ninho e não voltam mais, pode ser esmagadora. A esse sentimento de perda dá-se o nome de síndrome do ninho vazio.

Um sentimento de solidão,  vazio e tristeza por vezes devastador

É um sentimento de solidão, de vazio, de tristeza, ou até de irritação e depressão que muitos pais sentem com a saída dos seus filhos de casa. Esse sofrimento, por vezes devastador, pode ganhar proporções desajustadas, prejudiciais à vida, quando não se consegue lidar com essa perda. A saudade pode tornar-se em angústia e causar crises de ansiedade, podendo mesmo levar a estados depressivos e sintomas psicossomáticos.

O sentimento de pesar é quase incontornável e inevitável, principalmente em pais que valorizam muito mais os seus papéis como mãe e pai do que como mulher, homem ou profissional. Embora racionalmente os pais compreendam que esse é o ciclo normal e natural da vida, emocionalmente a situação é mais difícil de gerir. De repente, numa casa habitualmente cheia de vida, de vozes e sons, o silêncio ecoa num vazio que se instala no âmago do ser.

Como lidar com o sentimento de perda e ajustar a dinâmica familiar à nova realidade

Muito se tem escrito e falado sobre como lidar com esse sentimento de perda; de como se preparar com antecedência para essa fase da vida familiar; de como ajustar a dinâmica familiar à nova realidade; de como se reinventar como pessoas ou como casal

E quando a partida é repentina e definitiva? E quando a vida desses filhos é ceifada cedo de mais? Como podem os pais lidar com o vazio do ninho, do coração, da alma

Eu conheço muito bem esse sentimento de vazio, conheço-o intimamente! Tenho convivido com ele todos os dias da minha vida, nos últimos 13 anos. E tenho feito o melhor que posso para me ajustar à nova realidade.

Os filhos representam o futuro, a continuidade, a descendência, o legado, os sonhos e expectativas… Quando as nossas idealizações, projectos, desejos, fantasias e esperanças se desmoronam como um castelo de cartas… Quando um infindável rol de expectativas se desvanece ante nós como uma névoa… Como podemos lidar com a ausência definitiva dos nossos filhos e com os impossíveis?

A perda de um filho é inominável, indescritível e insuportável

A perda de um filho é inominável, indescritível e insuportável. Os filhos que perdem os pais são órfãos, aqueles que perdem os conjuges tornam-se viúvos, mas quando os pais perdem os filhos não há uma designação para essa nova condição… tornam-se inadjectiváveis!

Numa sociedade de consumo como a nossa, competitiva e centrada no Ter, há pouco espaço para o Ser e o Sentir. Quem perde um filho sente-se marginalizado e  estigmatizado pela sociedade. Algumas pessoas evitam falar com os pais enlutados porque não sabem como lidar com a situação, outras receiam passar pelo mesmo,  e outras estão de tal forma centradas em si mesmas que são incapazes de sentir empatia.

Com a morte de um filho os pais iniciam uma jornada árdua e solitária para preservar e manter viva a sua memória. O medo de que sejam esquecidos, somado ao vazio da ausência e à aniquilação do futuro, provocam uma dor insustentável, indizível, insuperável. Para os pais, mas especialmente para as mães, perder um filho é como perder parte da própria vida. Eu senti como se me tivessem amputado uma parte do coração.

A perda de um filho interrompe a lógica cronológica

A perda de um filho interrompe a lógica cronológica com que nos habituámos, que os pais morrem primeiro do que os filhos, nunca o contrário. Contudo, a morte de um filho não rompe o vínculo que se criara. Independente de como ou quando os pais aprendam a viver sem esse filho, essa perda é como uma ferida aberta, que não cicatriza. É uma ferida invisível aos olhos, mas visível aos corações mais atentos. Com o tempo essa ferida poderá sangrar menos, mas será sempre sensível e dolorosa…

Por vezes estamos bem, naquele espaço de tranquilidade que aprendemos a construir, e de repente uma palavra, um gesto, uma imagem, desencadeia um turbilhão de emoções… Aprender a viver com esta nova realidade, implicou dar um novo rumo à minha vida. Dei continuidade ao vínculo que criei com o meu filho integrando-o na minha vida como uma parte importante e significativa da minha história. Ressignifiquei a minha perda dando um sentido à minha vivência. O que me move é o apoio a outras mães, outras mulheres que se debatem com a árdua tarefa de lidar com a ausência dos seus filhos, ou de encontrar um lugar de serenidade e plenitude para as suas vidas.

Como evitar o vazio

O vazio pesa, a ausência pesa, o silêncio pesa, os lugares vazios na mesa pesam… por isso é importante encontrar estratégias de autopreservação para lidar com tudo isso. Não vou negar que ainda me custa muito admitir que o meu filho não voltará. A verdade é que, quando ele morreu a minha filha tinha 13 anos e percebi que teria de me preparar para essa inevitabilidade. Por isso, deixo-vos as minhas sugestões.

  • Mudar a forma como encaramos os filhos – eles não são nossos, vêm até nós para os criarmos, educarmos e prepararmos, o melhor possível, para a vida;
  • Reforçar os laços com o companheiro – se ainda for o pai dos seus filhos, ele poderá estar a passar pelo mesmo, se não for pode ser uma oportunidade de ouro para voltar a namorar (se não tem um companheiro, busque uma amizade fidedigna);
  • Liste tudo o que tem vindo a adiar – Faça uma lista das coisas que tem vindo a adiar e comece a dedicar-se à sua concretização, uma coisa de cada vez;
  • Procure actividades de lazer – Envolva-se em actividades que lhe dê prazer. Se tem um companheiro, procure actividades prazerosas que possam fazer em conjunto;
  • Dedique-se a uma causa – Dedicar-se a uma causa é algo que nos traz realização pessoal, seja voluntariado, activismo, o que lhe fizer sentido;
  • Procure ajuda – Se sente que não consegue ultrapassar essa fase sozinha, procure a ajuda de uma amiga que já tenha vivenciado o mesmo, de um Coach, de um Terapeuta ou de um Psicólogo. Não precisa de atravessar o deserto sozinha.

E, lembre-se, a felicidade vem de dentro de cada uma de nós. Não são os outros que nos fazem felizes, somos nós mesmas que construímos a nossa felicidade!

Feito com ♥ por Krystel Leal e Ana Paula Vieira
Conteúdos da autoria de Ana Paula Vieira. Todos os direitos reservedos
error: Content is protected !!