fbpx

    Li e Aceito a Política de Privacidade.

    Marcação

    Entre em contacto directo comigo para marcar uma sessão presencial (em Alfragide, Lisboa) ou online. A data indicada no formulário é apenas uma data da sua preferência, não a definitiva. Irei entrar em contacto para agendamento, tendo em conta a preferência que indiciou.

    Telefone:
    918 762 620

    Envie um email:
    contacto@anapaulavieira.pt

    Como reunir coragem para fazer o luto

    2 meses atrás · · 0 Comentários

    Como reunir coragem para fazer o luto

    Vivenciar a perda, movimentar-se através do luto e recuperar dele não é, vulgarmente, um caminho recto ou fácil. Após uma perda significativa é necessário descobrir como reunir coragem para fazer o luto e sair fortalecido pela experiência. Encontrar a coragem de caminhar através da dor e descobrir o que está do outro lado dela pode levar a uma vida extraordinária e transformada.

    Abrir-se à dor da perda é um acto de coragem

    A perda traz a dor indesejada às nossas vidas. Ao abrir-se à presença da dor da sua perda, reconhecer a inevitabilidade do seu pesar e abraçar suavemente o seu processo de luto, demonstra coragem para honrar e expressar o que sente bem como o amor partilhado.

    Honrar significa “reconhecer o valor de”, “orgulhar-se” e “respeitar”. Encarar abertamente a dor e a necessidade de fazer o luto como algo a honrar, não é instintivo. Todavia, a capacidade de amar implica a necessidade de fazer o luto. Honrar o seu luto não é algo autodestrutivo ou prejudicial. É, na verdade, algo corajoso e gerador de vida.

    Muitos acreditam que a coragem é uma qualidade rara ou inata. Embora algumas pessoas tenham naturalmente mais facilidade em activar a coragem, ela pode ser aprendida e treinada. A verdade é que ela é uma virtude altamente valorizada na nossa cultura.

    O seu propósito espiritual não é reprimir ou exagerar as suas emoções

    A palavra expressar significa literalmente “declarar ou manifestar, expor, dar a conhecer e revelar”. A auto-expressão pode mudar-nos e à forma como percebemos e experienciamos o mundo. Contudo, transformar os seus pensamentos e sentimentos em palavras confere-lhes significado e forma. A sua vontade de afirmar honestamente a sua necessidade de lamentar ajudá-lo-á a sobreviver a este momento difícil da sua vida. O seu propósito espiritual não é reprimir ou exagerar as suas emoções, e sim permitir que elas se desloquem plenamente através de si.

    A dor do luto irá continuar a chamar a sua atenção até que desenvolva a sua coragem para gentilmente, e em pequenas doses, abrir-se à sua presença. Rejeitar ou suprimir a sua dor é, de facto, a escolha mais dolorosa que pode fazer. Acima de tudo, se não honrar a sua dor reconhecendo-a, ela irá acumular-se e agravar-se. Por isso, é importante que acolha a sua perda, faça as pazes com a sua dor, em vez de fazer dela sua inimiga.

    Um coração fechado pelo luto produz dor contra si próprio

    Ao longo de todos estes anos a trabalhar os meus lutos e com pessoas em luto aprendi que a dor que envolve um coração fechado pelo luto é a dor de viver contra si próprio. Ao negarmos a forma como a dor da perda nos muda, ao nos sermos incapazes de lamentar abertamente, isolamo-nos. Consequentemente tornamo-nos incapazes de amar e de receber o amor daqueles que nos rodeiam. Em vez de desistir da vida enquanto está vivo, pode escolher abrir-se à dor, o que, em grande parte, honra o amor que sente pela pessoa que morreu. Afinal, o amor e a dor são duas faces da mesma moeda e a morte não determina o fim do amor.

    Curiosamente, é o próprio acto de reunir coragem para avançar em direcção à dor que, em última análise, conduz à cura.

    Ter coragem para chorar e lamentar a perda pode ser um acto de rebelião

    Se perdeu alguém a quem deu e de quem recebeu amor, o seu coração ficou “despedaçado”. Quer esteja a começar, ou já esteja no meio de uma jornada que é dolorosa, frequentemente solitária e naturalmente assustadora, tem “necessidades especiais”.

    Entre essas necessidades especiais, a mais relevante neste momento é ter a coragem para chorar e lamentar a sua perda. Todavia, numa cultura que nem sempre nos faz sentir seguros para o fazer, este pode ser um verdadeiro acto de rebelião. A verdade é que a coragem – para aceitar o luto e o pesar à medida que eles surgem – já existe dentro de si.

    Pode ainda não conseguir ver a luz ao fundo do túnel. Contudo, avance com coragem e confiança de que a luz da esperança e da plenitude existem de facto. Sinta a sua dor, pesar, tristeza, agonia, desgosto, medo, ansiedade e solidão tanto quanto lhe for possível suportar.

    Isto pode parecer contra-intuitivo, pois estas emoções podem muito bem ser as emoções e sentimentos que mais deseja evitar. Poderá ter a vontade de “fazer vista grossa” aos seus sentimentos e manter-se ocupada à espera que a dor “passe”. No entanto, ironicamente, a única forma de superar estes sentimentos dolorosos é avançando pela lama através deles. Por isso, permita-se chafurdar na lama e atravessar esse pantanal.

    O luto não é limpo, organizado ou conveniente

    O luto não é limpo, organizado ou conveniente. No entanto, senti-lo e expressá-lo é a única forma de voltar a se sentir inteiro novamente. O luto não resolvido pode fazê-lo sentir-se “vazio” ou desconectado. A sua capacidade de se entregar à vida pode ser inviabilizada e pode sentir-se como se estivesse desligado de tudo e de todos.

    Em vez disso, escolha vivenciar o seu luto. E enquanto trilha o caminho do seu luto, lamente activamente. Chore quando precisar, telefone a um amigo quando se sentir sobrecarregado, ou procure um especialista de apoio ao luto, exprima-se através da escrita, da música, da arte ou do desporto. Ao tomar medidas para lidar com a dor, acabará por integrar a perda do seu ente querido na sua vida. Em troca, irá encontrar a esperança, a coragem e o desejo de voltar a viver uma vida plena de sentido, gratificante e feliz.

    A dor da perda pode nunca sair do seu lado, mas permitir-lhe-á deixar-se ir e se aventurar por si próprio cada vez mais à medida que os dias, semanas, meses, e anos passam. Tire partido da sua coragem inata e aceite a mão estendida pelo seu pesar.

    Procure dar voz à coragem

    Cultive a sua coragem todos os dias. Acolha-a todas as manhãs. Antes de se levantar, diga uma citação sobre coragem em voz alta. Pode ser a Oração da Serenidade, que é uma das minhas favoritas: “Que eu tenha a serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar, a coragem para mudar as coisas que posso, e a sabedoria para distinguir a diferença entre elas”. Ou talvez haja outra que lhe agrade especialmente. Se quiser, anote as suas citações favoritas sobre coragem e coloque-as no seu frigorífico, ou no painel de instrumentos do carro, no espelho ou no computador no trabalho. Qualquer que seja a forma como o faz, isso irá ajudá-lo a manter a coragem por perto ao longo de todo o dia.

    Procure formas simples de dar voz à coragem ao longo do dia. Talvez seja apenas o acto de se levantar da cama. Ou pode ser a coragem de partilhar o que sente sobre a sua perda com um colega de trabalho ou amigo, ou de procurar a ajuda de um especialista de apoio ao luto. Pode ser simplesmente fazer um telefonema ou escrever uma mensagem que tem adiado, para agradecer a alguém a ajuda que lhe prestou após o funeral. Ou quem sabe seja ir à igreja ou ao cemitério sozinho, ou arranjar maneira de ser honesto consigo mesmo sobre algo que teme.

    Nutra a sua coragem todos os dias

    Coragem é a capacidade de enfrentar o perigo, a dificuldade, a incerteza, ou a dor sem se deixar dominar pelo medo. A recuperação após uma perda é difícil. É preciso coragem de todas as formas e dimensões para lamentar plenamente enquanto se procura viver o dia-a-dia. Por isso, congratule-se por acolher a coragem, independentemente do seu tamanho ou forma.

    A mais longa caminhada faz-se passo a passo. Não importa quanto tempo demore, se são passos longos ou curtos, se pára para descansar mais ou menos vezes, ou até se tropeça e cai. O importante é que, por cada vez que cambaleie ou cai, reúna coragem para se reerguer e continuar a caminhar através do seu luto.

     

     

    Fazer o luto dessa perda é tanto uma necessidade como um acto de coragem.

    Facebook

    Instagram

    Youtube

    Feito com ♥ por Ana Paula Vieira
    Conteúdos da autoria de Ana Paula Vieira. Todos os direitos reservedos
    error: Content is protected !!