Recupere da Perda com Serenidade

Serviço disponível: Online e Presencialmente

Presencial: Alfragide e Lisboa

Online: Videoconferência, em hora e dia da sua conveniência

Imagine como seria viver com um novo sentido e mais amor do que dor…

A perda muda-nos, mas também traz crescimento pessoal e muita coragem ao longo do caminho. Tal como após uma lesão física grave, curamos, mas ficamos diferentes. No entanto, as nossas vidas podem voltar a ser plenas e ricas de novo.

Este processo de cura requer tempo e empenho. Para isso precisamos de nos dar tempo e permissão a nós próprios para o vivenciarmos. Tanto a negação da perda, como o arrastar da dor da perda, são lutos que não são feitos e levam à estagnação da vida.

Lembre-se, onde quer que esteja no seu processo, eu posso ajudar!

Da Dor ao Amor

Um Guia Básico para um Luto Sereno

Ninguém está imune à perda e não há como evitar a dor decorrente dela.

Eu já tive de percorrer o caminho tortuoso do luto após perdas significativas várias vezes. Para dar novo sentido à vida, desde 2015, tem sido a missão  ajudar outras pessoas a fazê-lo com mais amor do que dor.

Neste e-book partilho algumas das minhas melhores dicas para ajudá-la no seu processo de recuperação de uma perda significativa e transforme a sua dor em Mais Amor.

Obtenha o seu agora!

E-book Gratuito

Transforme a dor em mais amor

O Mini-Programa Transformar a Dor em Mais Amor  é um passo a passo organizado em 4 módulos para a ajudar a integrar a perda, a processar a dor e encontrar um novo sentido para a vida com Mais Amor do que dor.

Aproveite este passo-a-passo simples e descomplicado para começar a Transformar a dor em mais amor.

O luto é um processo inevitavelmente doloroso.

Acarreta desgosto, tristeza e outros sentimentos que podem ser muito intensos e dolorosos, principalmente quando a perda é muito significativa.

Porém, o  único caminho para o outro lado da dor do luto é através dela.

Descubra como integrar a sua perda  de forma saudável.

Saiba como criar uma vida com significado apesar da sua perda.

Transforme a dor em mais amor


Perguntas Frequentes

O que é o luto?

O luto é tudo o que pensamos e sentimos interiormente sobre a morte. Quaisquer pensamentos, emoções, sintomas físicos, e mesmo comportamentos inesperados que esteja a experimentar por causa da morte, fazem parte do seu luto.
Por vezes, as pessoas pensam no luto como um estado de tristeza. Mas na verdade, o luto é muito mais do que isso. O luto é frequentemente uma combinação de sentimentos tais como choque, desorientação, ansiedade, raiva, arrependimento e tristeza. A mistura de sentimentos pode mudar de minuto para minuto ou de dia para dia.

Qual é a diferença entre luto e pesar?

Logo após a perda de alguém que se ama, em especial por morte, é natural sentir-se chocado e entorpecido. Durante algum tempo, a sua mente irá provavelmente protegê-la/o de reconhecer plenamente a realidade da morte.
Durante este tempo, seja extremamente gentil consigo mesmo. Sofreu uma perda severa na sua vida. Pense em si própria/o como alguém que precisa de cuidados intensivos emocionais e espirituais.

O que é recomendado na fase inicial do processo de luto?

Se for possível, tire férias ou faça uma pausa do trabalho. Deixe as outras obrigações de lado, por agora. Descanse sempre que se sentir cansada/o. Coma quando sentir fome, e beba muita água. Passe tempo em lugares onde se sinta segura/o. Deixe que outros tomem conta de si. Não espere estar a funcionar normalmente. Perdoe-se a si própria/o se cometer erros. Faça o que for preciso para sobreviver.

Quais as reacções comuns no processo de luto?

Logo após a perda de alguém que se ama, em especial por morte, é natural sentir-se chocado e entorpecido. Durante algum tempo, a sua mente irá provavelmente protegê-la/o de reconhecer plenamente a realidade da morte.
Durante este tempo, seja extremamente gentil consigo mesmo. Sofreu uma perda severa na sua vida. Pense em si própria/o como alguém que precisa de cuidados intensivos emocionais e espirituais.

Quais os sentimentos comuns no processo de luto?

Nos primeiros dias e semanas após a morte, é comum sentir choque, entorpecimento, negação e descrença. Demora simplesmente algum tempo para que as nossas mentes processem a nova realidade chocante.
Sentimentos de confusão e desorganização também são típicos nos primeiros meses. Pode sentir-se dispersa/o e incapaz de completar mesmo a mais simples das tarefas.
É normal sentir-se ansioso ou receoso. Ansiedade é o que sentimos quando nos preocupamos com o futuro.
A raiva e outras emoções explosivas – como a fúria, o ressentimento e a revolta – podem também surgir. Pense nestes sentimentos como uma forma de protesto.
A culpa e o arrependimento também fazem parte do luto de muitas pessoas. A morte torna impossível reparar os erros antigos. Aceitar este facto pode fazer parte da sua jornada de luto.
É claro que a tristeza é fulcral para o luto. É normal sentir-se magoado e deprimido. Algo precioso na sua vida desapareceu e, naturalmente que sente uma profunda tristeza! Permitir-se sentir o seu pesar e a sua dor é o objectivo da sua jornada em direcção à cura.
Finalmente, pode estar a sentir algum grau de alívio ou libertação desde a morte. Especialmente se a pessoa que morreu estava doente antes da morte, é normal que se sinta aliviada/o por o sofrimento dessa pessoa ter terminado.

Quanto tempo demora o processo de luto?

O luto demora muito tempo. De facto, nunca acaba completamente, porque nunca deixará de sentir a falta da pessoa que morreu. Sentirá sempre pesar por causa da ausência desta pessoa na sua vida.
Mas em vez de se concentrar no longo prazo, pondere adoptar uma abordagem do luto de um dia de cada vez. Só existe hoje. Amanhã, preocupar-se-á com o amanhã.
Hoje irá sentir o que quer que esteja a sentir, e irá expressar esses sentimentos fora de si. Hoje cuidará de si própria/o, e aceitará o cuidado dos outros.

Quantas fases tem o processo de luto?

Embora haja quem defenda que o luto e o pesar vêm em fases previsíveis e regulares, a verdade é que o luto tende a ser desordenado.
Elisabeth Kübler-Ross no seu livro Sobre a Morte e o Morrer, publicado em 1969, enumera as cinco fases do luto. Esses eram os estágios que observara nos doentes terminais face às suas próprias mortes iminentes: negação, raiva, negociação, depressão e aceitação. O problema é que em breve as pessoas começaram a acreditar que estas eram as fases oficiais do luto, ponto final – embora a Dra. Kübler-Ross nunca tivesse tido essa intenção e se tivesse debatido contra isso até ao fim dos seus dias.
Com efeito, as pessoas em luto experimentam frequentemente mais do que um sentimento ao mesmo tempo. Voltam também aos mesmos sentimentos meses mais tarde. E há certamente mais do que cinco estádios principais no luto.

Como lidar com a dor do luto?

Suportar a dor do luto é talvez o desafio mais difícil da vida humana. Estar separado de alguém que amamos dói. Dói muito.
Uma regra essencial a ter em conta é que não é preciso estar sempre em sofrimento. O processo de luto é uma montanha russa emocional e faz-se com avanços e recuos. Então, é preciso “dosear” a dor. Sinta e expresse a sua dor por algum tempo, depois faça uma pausa. Avance e recue, para trás e para a frente.
Outro princípio crítico é que, com o tempo, duas coisas ajudarão a suavizar a dor: abraçá-la e expressá-la. Por vezes pensamos que se negarmos ou nos distrairmos da nossa dor, ela desaparecerá. Isso não funciona. Em vez disso, se nos permitirmos sentir plenamente os nossos sentimentos sempre que eles surgem naturalmente, eles começam a suavizar, cada vez mais. E quando choramos esses sentimentos, ao expressá-los para fora de nós próprios, experimentamos ainda mais ímpeto curativo.

Quanto tempo decorre até a superação do luto?

Na verdade, não superamos a dor da perda. Em vez disso, aprendemos a nos reconciliarmos com ela. O luto é um sofrimento que surge por uma razão e com um propósito. É um processo normal e necessário e, o único caminho para o outro lado do luto é através dele.

A sua Conselheira de Luto

Após um ciclo de perdas muito significativas, incapaz de lidar com as emoções do luto, andei perdida no terreno pedregoso do luto, até desenvolver uma depressão.
Eu iniciei esta trajectória, para encontrar cura e equilíbrio para mim mesma, 8 anos após a morte do meu filho, porque não tinha conseguido processar os meus lutos.

Desde 2015, apoio mulheres nos seus processos de cura e recuperação, ajudando-as a atravessar a dor, a libertar o sofrimento emocional, a trabalhar os traumas e a crescer a partir deles.

A minha compreensão da dor da perda e dos meandros dos processos de luto vai muito além de apenas técnicas e teorias.

Eu sou alguém que viveu no epicentro do luto mais de uma década e que usa as suas próprias vivências e experiências para melhor ajudar quem precisa e quer ser ajudado.