fbpx

    Li e Aceito a Política de Privacidade.

    Marcação

    Entre em contacto directo comigo para marcar uma sessão presencial (em Alfragide, Lisboa) ou online. A data indicada no formulário é apenas uma data da sua preferência, não a definitiva. Irei entrar em contacto para agendamento, tendo em conta a preferência que indiciou.

    Telefone:
    918 762 620

    Envie um email:
    contacto@anapaulavieira.pt

    A importância da esperança face à perda significativa

    5 meses atrás · · 0 Comentários

    A importância da esperança face à perda significativa

    A esperança face à perda significativa é de extrema importância. É ela que nos encoraja a avançar na jornada de luto e a descobrir uma centelha divina de renovação. O desejo de reentrar na vida com sentido e propósito.

    Face à perda somos confrontados com as nossas limitações

    Quando experienciamos uma perda significativa – quer se trate de uma perda por morte de alguém amado, um divórcio, a perda de um emprego, ou a perda de saúde – somos confrontados com as nossas limitações. Somos lembrados do pouco controlo que temos realmente sobre alguns aspectos da nossa vida e do nosso modo de viver.

    O confronto com a perda, qualquer que seja o tipo, pode ser uma oportunidade para reavaliarmos as nossas vidas. Pode ser uma forma de nos abrirmos à mudança.

    A solidão e o vazio estão frequentemente presentes

    A perda é uma parte integrante da vida. Todavia, quando ela nos bate à porta, nunca estamos realmente preparados.

    Com frequência, a solidão e o vazio estão presentes, mesmo quando estamos rodeados de familiares e amigos. Acima de tudo, à medida que cada um vai retomando a sua vida, quem está a processar um luto, sente-se cada vez mais só, mais isolado.

    Perante a solidão e o vazio, a esperança pode se revelar o alento verdadeiramente importante para enfrentar a dor da perda.

    A perda muda-nos

    Quando as vidas das pessoas que tocaram as nossas vidas se silenciam, sentimo-nos como se, de alguma forma, as nossas próprias vidas também se tivessem perdido. Com efeito, a perda muda-nos.

    Porém, à medida que vamos trilhando o caminho sinuoso do luto começamos a perceber que, apesar de mudados, podemos criar uma vida com significado. Porventura com mais significado do que antes.

    Descubra mais sobre a improtância da esperança face à perda significativa neste episódio do podcast

    O papel da negação no processo de luto

    5 meses atrás · · 0 Comentários

    O papel da negação no processo de luto

    A negação tem má reputação, mas ela desempenha um papel crucial no processo de luto ou em situações dolorosas. Precisamos dela para prevenir que sejamos derrubados pelos golpes baixos da realidade das nossas vidas e para entorpecer a dor da verificação das nossas perdas. Qual bálsamo anestésico, numa situação de luto, a negação segura as nossas mãos, fica cara a cara connosco e faz-nos voltar as costas à nossa dor dizendo: “Não olhes para lá, olha para mim”.

    A negação tem um papel protector, quando a realidade é demasiado avassaladora para ser assimilada pelo coração. A mente recebe informação organiza-a em factos e registos sonoros, faz listas de prós e contras, e guarda nos arquivos próprios. Para muitos, a experiência da perda não se limita apenas ao desaparecimento físico de uma pessoa próxima. O luto também é vivido na perda de um emprego, de uma relação, de uma vida que fora planeada.

    As cenas das nossas vidas são esboçadas como se fossem desenhos de ligar por números para assinalar imagens decifráveis. Mas alguns factos são demasiado avassaladores para serem retidos, demasiado terríveis para serem apreendidos, demasiado desoladores para serem aceites.

    O coração não acredita em tudo o que a mente lhe diz

    A mente sabe porque estava lá, ouviu as palavras que foram ditas, mas o coração recusa-se a acreditar. Ela até pode saber porque testemunhou o que aconteceu, mas o coração, pelo menos no início, não acredita em tudo o que a mente lhe diz. A mente tenta fazer chegar a informação, mas o coração bloqueia-a e diz à mente: “Pára, isso não pode ser!” Nestas situações, a negação pode ser o mediador.

    A nossa mente vê, assimila e até pode saber que a situação é má, que o nosso ente querido está a morrer, que pode não haver opções razoáveis, mas a negação sabe que são demasiadas coisas para o coração suportar tudo ao mesmo tempo. O luto, apesar de ser um processo natural da existência humana, é demasiado duro para aceitar e excessivamente doloroso de assimilar. É uma crise que desorganiza a vida e provoca grande desequilíbrio nas rotinas diárias. Assim, a negação passa a mensagem da mente para o coração em pequenas doses. Gentilmente, a realidade da situação vai sendo revelada devagar, pouco a pouco, tornando-se cada vez mais clara para o coração. E mesmo que a negação abrande a transmissão da mensagem e modere a sua descarga, mesmo assim pode parecer devastador para o coração.

    Eventualmente, a mente e o coração encontram-se e sentam-se juntos a chorar

    Com o tempo, ela desloca-se. Ainda a segurar as nossas mãos, move-se um pouco para que tenhamos vislumbres dos destroços das nossas vidas, dos nossos sonhos desfeitos. Uma fracção de cada vez que, mesmo assim, parece demasiado, dói muito. A negação continua a sair da nossa linha de visão por períodos cada vez mais longos à medida que absorvemos cada vez mais os factos que as nossas mentes têm de mostrar aos nossos corações. Eventualmente, a negação mantém-se de mãos dadas ao nosso lado enquanto olhamos para o que perdemos. E, a dado momento apercebemo-nos que a nossa mão está vazia e que a negação desapareceu. A nossa mente e o nosso coração estão sentados juntos a chorar.

    A mente e o coração compõem uma história

    A vida não pára depois de uma perda ou de um acontecimento catastrófico. E nós também não paramos de crescer e de nos desenvolver enquanto pessoas. Juntos, a mente e o coração compõem uma história e procuram obter o maior sentido possível do que, inicialmente, parece inconcebível. A história é um misto de factos e crenças. Por vezes as nossas histórias têm tantas versões quantas as que são recontadas, porque as emoções são indissociáveis das narrativas e o trilho da mente para o coração é estreito.

    Se houvesse uma ligação directa da mente ao coração talvez a vida fosse mais simples. Talvez a vida fizesse mais sentido, mas por qualquer razão que desconheço, simplesmente não é assim. Após a perda percorremos um longo caminho com muitas curvas, contracurvas e obstáculos, até chegarmos àquele pequeno reduto chamado aceitação. Chegamos lá de braço dado com a mente e o coração. Aí, a negação mantém-se à distância (se a vemos de todo), à medida que damos o primeiro passo hesitante na sua direcção.

    Aceitação da perda

    Por vezes ficamos com um pé dentro e outro fora. Mesmo quando tentamos sentar-nos com a dor, no início, podemos não conseguir. E pode demorar algum tempo até percebermos que é correcto sentarmo-nos com ela. Com o coração pesado e a mente agoniada, acabamos por nos ajustar. A vida não é estática, e como tal, irão acontecer sempre situações que fogem ao nosso controle.

    As perdas são uma circunstância da vida e, com o passar do tempo, elas vão-se somando. Se tivermos a sorte de viver muito tempo, faremos esta jornada várias vezes. Esse caminho virá a se tornar conhecido e, embora possamos tornar-nos viajantes mais experientes e mais sábios, nunca será uma jornada sem dor. Felizmente, a mente, o coração e a negação impedir-nos-ão de caminhar sempre sozinhos.

    A aceitação é um meio de alcançar a paz de espirito suficiente para perspectivar um caminho. Por isso, foque-se no amor, o caminho faz-se caminhando.

    Se gostou do artigo, deixe o seu comentário. Se considera que pode ser útil para alguém, partilhe-o.

    Feito com ♥ por Ana Paula Vieira
    Conteúdos da autoria de Ana Paula Vieira. Todos os direitos reservedos
    error: Content is protected !!